Efeito Tyndall


Imagine a descida da Serra sob neblina. O famoso "nevoeiro", que deixa a descida difícil, atrapalhando a visibilidade do motorista. Em algumas destas situações, temos por comum, hoje em dia, a operação descida, que auxilia o motorista durante a neblina e diminui os riscos de acidentes e colisões.      
   
Existe um aviso de sinalização indicando: "Sob neblina use os faróis baixos", se você se lembra de ter visto algo parecido saiba que é por conta do EFEITO TYNDALL. 


Está sinalização é comum em estradas e tem tudo haver com o sistema de colóides.

O que são colóides?

É um material heterogêneo, cuja multiformidade só é constatada através de instrumentos de alta resolução, como os microscópios, ou seja, não é possível enxergar as partículas dispersas a olho nu, mesmo tendo uma aparência homogênea. Podemos citar exemplos como, tintas (onde temos pigmentos e solvente); maionese(azeite, vinagre, gema de ovo); cremes de beleza (água, óleos e aditivos); gelatinas (colágeno e água); chantilly (ar e creme de leite); fumaça (materiais participados e ar); xampús (surfactantes e aditivos); sorvetes (gorduras, aromatizantes e água); entre outros.


Assim, a neblina nada mais é que uma mistura de água e ar e quando a luz dos faróis atravessam as gotículas de água da neblina, é dispersado na frente do veículo e atrapalha a visibilidade do motorista por que as partículas que compõem  os sistemas coloidais são muito pequenas para serem identificadas a olho nu, mas o seu tamanho é maior do que o comprimento de onda da luz visível, e portanto as luzes dos faróis do carro que atravessam o sistema coloidal serão refratadas pelas partículas de água.


Situação de aprendizagem


Para que se possa compreender o Efeito Tyndall, vamos analisar o que ocorre.

Observe que  no tubo de ensaio A o laser atravessa a solução à esquerda sem sofrer dispersão, mas quando passa pelo tubo de ensaio B, a luz é dispersa (espalhada) e ao mesmo tempo refletida, o que nos permite vê-la. 

A solução do tubo A é de uma mistura homogêneaas partículas que as constituem são muito pequenas, se referem a íons, átomos ou moléculas. (Pode ser utilizado água + álcool).

Na solução do tubo B são encontradas suspensões coloidais ou simplesmente colóides. Estas são grandes o suficiente para serem vistas a olho nu e por isso elas possuem capacidade para refletir e dispersar a luz. (Pode ser utilizado água + xampú).

Conforme observamos e constatamos, no caso da neblina a luz dos faróis é refletida pelas partículas e na verdade o motorista fica ofuscado pela própria refração da luz e sua incidência.

Também podemos observar o Efeito Tyndall quando a luz solar entra por frestas ou por buracos da janela de um quarto escuro e conseguimos ver pequenas partículas de poeira dispersas no ar, graças ao reflexo da luz. 


Imagine só, respiramos esse ar cheio de partículas de poeira e outros fragmentos e além disso nem percebemos por que na realidade, sem essa dispersão da luz nem conseguimos ver não é mesmo ? Ainda bem que nossas narinas tem pêlos e retém grande parte dessas partículas, mas isso já é assunto para outra aula !

Até breve!



Consultas e crédito de imagem:
Química cidadã, vol. 2; Ensino Médio; Editora Nova Geração


Postar um comentário